sexta-feira, 9 de abril de 2010

Auf Wiedersehen!

Obrigada a todos pelos recados. Para entrar em contato comigo mande um e-mail para cdcanto10@googlemail.com.

Auf Wiedersehen!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Notícias do front

Não deu pra escrever antes, a avalanche que passou por aqui logo no comecinho do ano foi daquelas que a gente não espera que aconteça nunca. Veio tudo junto. Num exame de rotina logo na primeira semana de janeiro, algo que não deveria estar lá. Uma imagem, a cara feia do médico e aquele nó na minha garganta. Quem acompanha meus blogs há mais tempo, sabe da história complicada que eu tive com a amamentação, a infelicidade de ter tido uma infecção bacteriana seríssima no peito esquerdo, abcessos, cirurgias, complicações inexplicáveis e internações. Daquilo ficaram muitas cicatrizes internas e externas. E agora a incerteza se a tal imagem seria ainda somente um resquício daquele problema, um nódulo de fibrose ou algo mais sério.

Perdi o chão. Imediatamente contactei minhas médicas no Brasil, peguei o avião e vim para o Brasil com a Julia. Não avisei a ninguém, não dava, não tinha cabeça pra amenidades sociais, só um ou outro ficou sabendo e mesmo assim ninguém tinha realmente a dimensão do problema porque eu não contei o risco que existia de ser algo mais. Caí no colo da minha mãe num dia e no seguinte já estava peregrinando por consultórios médicos. Passei o mês de fevereiro inteiro fazendo mil exames, ressonâncias, mamografias, risco cirúrgico e etc. Comemorei meu aniversário de 10 anos de casamento dentro do tubo de ressonância magnética.

Maridão caiu doente lá antes de eu sair também, ficou mal, por duas semanas sem trabalhar, e ainda está se recuperando de uma baixa de imunidade que abriu as portas a um vírus brabíssimo que lhe atacou o nervo torácico. Julia chegou ao Brasil passando mal, com cólicas, sem fome e até diagnosticarmos o problema dela, eu saía do consultório dos meus médicos para levá-la ao pediatra ou para fazer exames.

A vida ao meu redor pulsava freneticamente e eu tinha a impressão que só eu estava em modo "pausa". Levei Julia à praia e às bandas de carnaval no meio do turbilhão, estive de corpo presente em encontros casuais com uma amiga aqui e outra ali, mas meu espírito estava longe.

Conscientemente me afastei de aborrecimentos adormecidos, tudo passa a parecer muito pequeno pra ser digno de importância quando se tem a incerteza de como vai ser o dia de amanhã.

Fiz a primeira cirurgia na véspera do meu aniversário e comemorei no dia seguinte com bolo, parabéns e um dreno pendurado. Eu, minha mãe, Julia e maridão via skipe. Dois dias depois comemorei a retirada do dreno e o aniversário do maridão também.

E aí começou a espera mais longa da minha vida, o resultado do exame histo-patológico, do material retirado do meu peito. Foram 10 dias de muita expectativa e sofrimento. Chorei muito. E descobri quem são meus amigos verdadeiros também. Aquelas minhas amigas de infância, que ao saberem do problema, se uniram e me deram seu carinho e sua força. Aquelas que conseguiram quebrar a minha resistência de querer falar e me abrir e se mostraram presentes pra chorarmos juntas naquela agonia.

Ontem eu cheguei em casa de mais uma cirurgia, dessa vez na barriga, outro problema que há muito tempo me incomodava, uma endometriose não convidada. Estava e ainda estou morrendo de dor que mal consigo andar.

E ontem também, no meio dessa dor toda foi que eu tive o maior alívio de toda a minha vida até hoje, quando o telefone tocou e minha médica me disse que não era nada, que o resultado foi benigno. Chorei de novo.

Por tudo isso e mais um monte que não cabe aqui eu sumi. Estou recolhendo os cacos do espírito e me recuperando de tanta anestesia geral que me deixou meio gagá.

Não sei se voltarei a escrever neste blog, ainda estou no Brasil e volto em breve para a Alemanha. Estou com vontade de renovar. Quem quiser saber o endereço do novo blog, quando eu recomeçar, deixa um e-mail de contato neste post, que eu aviso quando voltar. Ou quem preferir mande um email para cdcanto10@googlemail.com

Beijos e até breve!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

De onde vêm os bebês

Hoje, em pleno ponto de ônibus, fui surpreendida com a pergunta que achei, na minha ingênua inocência materna, que fosse demorar ainda um bom tempo pra acontecer. Primeiro veio "Mamãe, como é que o bebê sai da barriga?" (. a propósito, não estou grávida). Tá, essa foi fácil, expliquei sem entrar muito nos pormenores da anatomia feminina e bastou. Aí veio a segunda "E como é que o bebê entra na barriga?" Aí confesso que todo meu lado descolado de mãe-moderna-que-vai-conversar-sobre tudo-abertamente-com-a-filha foi pro espaço. Simplesmente fui pega com as calças na mão, dei uma gaguejada e me senti ridícula quando me ouvi dizendo "mamãe e papai se amam muito"... blargh... Nem sei o que falei depois, o ônibus deve ter chegado e ela esqueceu. Mas na volta, novamente no bendito quatro-rodas comunitário (porque essas coisas sempre acontecem quando tem platéia?) lá veio a pergunta de novo, óbvio, não respondi satisfatoriamente, ela não se dá por vencida assim tão facilmente. Aí saí pela história da sementinha do papai e da mamãe que se encontram e fazem um bebê. Ah, vamos combinar que tá próximo da realidade, certo? E juro que terminei a frase rezando mentalmente pra ela não me perguntar como é que as sementinhas se encontravam. Eu não gosto de mentir e inventar história da carochinha pra explicar as coisas, mas ainda acho muito cedo pra saber de certas coisas. Difícil é achar um jeito de explicar sem ter que explicar, se é que me entendem.

E eu sei que ainda vem muita pergunta por aí.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Mundo cão

Tem muita gente que gosta de exaltar como a Europa é "civilizada", organizada, como as pesoas são mais bem educadas e respeitam o próximo. Já perdi a conta de quantas vezes li esses lugares comuns em blogs de expatriados. Vai ver até eu já devo ter escorregado também por esse caminho, não me lembro. Mas a realidade é um pouco diferente e fica descarada às vezes.

Um exemplo, desde a última nevasca que ficou muita neve acumulada nas calçadas e como ela não derrete, tudo que ali se faz, fica literalmente preto no branco. Ou tão nojento quanto, amarelo no branco. Os donos de seus totós levam seus amados sem o menor comprometimento com a sanidade pública pra fazerem suas necessidades fisiológicas ao longo do caminho. Que nojento é ver aquela mancha amarela de xixi na neve! E não é pouco, não, só aqui na minha rua no caminho pra escola da Julia, é um do lado do outro. Rua de bairro bom, civilizado, de classe média. Um nojo! Nem dá mais pra deixar a Julia brincar na neve, a não ser que seja no jardim interno do prédio.

Eu acho uma falta de respeito sem tamanho, e depois vem o pediatra e ainda tem a cara de pau de me dizer que criança aqui não tem verme, quer isso é coisa de país em desenvolvimento. Sim, eu já ouvi isso.

Eu nem tinha noção de quanto xixi de cachorro tem nas ruas até ver agora a prova marcada na neve. Não vou deixar nem mais a Ju catar folha e galho no verão porque não dá!

Preciso dizer só mais uma vez, que nojo!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A era do gelo








domingo, 10 de janeiro de 2010

Os meios de comunicação daqui não tem outro assunto a não ser a tempestade de neve que levou a Alemanha de volta a era glacial. Aqui em Hamburgo a coisa está leve, neva bastante, mas não chega a ser caótico. Eu confesso que já passei da fase de achar bonito olhar lá pra fora e ver tudo branco. Uma semana é legal, duas, vai lá, mas já deu. Acho que há mais de um mês não vejo a calçada. Quando a Julia acorda de manhã no fim de semana, eu tenho que olhar no relógio pra saber se ainda é madrugada, e na maioria das vezes não é, já são pra lá das nove.

Tudo que é demais cansa, o calor sufocante que deixa a gente suada no Rio é um saco, mas esse frio e essa paisagem inóspita prolongada também dá nos nervos.

Tem algum cacique de plantão pra me ensinar a fazer um dança e espantar essa nevasca daqui?

Update: Parece que o Alster, o lago principal do centro de Hamburgo está congelado mesmo. Encontrei essa foto. (Fonte)